Devo apagar um comentário para manter o nível do debate?

Primeiramente, é importantíssimo dizer que nunca mais poderemos nos sujeitar à censura, seja ela de que forma for. A seleção natural do mercado é que determina a qualidade e a possibilidade de, consequentemente,  aquela ação, produto, texto, serviço ter continuidade, sucesso ou não.

O que pretendo apresentar aqui é a questão de comentários grosseiros, mal educados, que são postados como respostas em fóruns de discussão.

Tanto no meio virtual como no real, o que rege é a educação. Acima de tudo, a educação. Podemos ser duros, defender uma posição com efusividade, porém a educação deve nortear toda a conversa. Sem este item, não há conversa.

Recentemente, na página do Youtube de um cliente foi postado um comentário que até era pertinente, mas com extrema falta de educação. Como então manter um texto como aquele, abaixando o nível do que poderia ser um debate enriquecedor?

Conversamos muito aqui, internamente, e decidimos pelo seguinte: apagar o post e dizer que fulano havia postado um comentário de forma mal educada, utilizando palavras de baixo calão. Certamente, o próprio autor do comentário, caso deseje realmente manter o nível da conversa e dar sequência ao assunto, poderá voltar a postar, mas sem a utilização de termos inadequados para uma conversa civilizada.

Vejam bem; repito: não se trata de cercear e sim manter o nível de debate saudável e agradável, respeitando os diversos pontos de vista. Aliás, um debate tem este nome pois apresenta várias visões. E é isso que o enriquece.

Por isso, amigos, amigas, vamos sempre expressar nossos pensamentos, mesmo de forma apaixonada, mas com civilidade e educação.  Temos direitos mas, também, deveres. E isso é viver em sociedade.

Forte abraço e beijocas estaladas!!!

Anúncios

Jornalistas acreditam que blogs podem pautar a imprensa

Notícias exclusivas e assuntos diferenciados postados em blogs podem pautar a grande imprensa. É o que os jornalistas reunidos no painel “Jornalismo na rede”, na Campus Party, acreditam. Um exemplo é o PEbodycount, blog sobre segurança pública, mantido pelo jornalista Eduardo Machado e  equipe, que retrata os índices de violência em Pernambuco. A página já chegou a pautar veículos e programas como Le Monde, Los Angeles Times, Profissão Repórter e Fantástico.

O blog apresenta números de homicídios e detalhes dos crimes que são atualizados diariamente. “A força disso é que quando o governo dizia que tinha tido um dia tranquilo, ou que a violência estava diminuindo, nós tínhamos esses dados para confrontar”, explica Machado.

O jornalista, que também é repórter do Jornal do Commercio de Pernambuco, conta que já rebateu uma informação oficial, de que uma das mortes registradas no Estado teria sido causada por um atropelamento, saindo assim dos índices de criminalidade. Na realidade, os dados do blog, obtidos por fontes confiáveis, afirmavam que a pessoa havia sido morta a tiros. Para confrontar a informação oficial, os blogueiros postaram o texto “Atropelado por três tiros”, que gerou grande repercussão.

Para manter o blog, Machado conta com mais três profissionais na equipe e apoio da Associação do Ministério Público de Pernambuco (AMPE), que oferece R$ 1,5 mil de orçamento mensal para a manutenção da página.

Caminhos alternativos
Sem encontrar espaço nos grandes veículos ou patrocínio, muitos jornalistas optam por criar páginas independentes, como é o caso de Paulo Fehlauer, do blog garapa.org, coletivo multimídia, e André Deak, que mantém, ao lado de outros profissionais, o Haiti.org.br. No caso do portal sobre o Haiti, que é atualizado com informações gerais sobre o país, os jornalistas pretendem levantar uma verba para viajarem até o Haiti  para cobrir o país de perto. Outra ideia é uma exposição com o trabalho dos principais fotógrafos que atuaram no Haiti.

Em todas essas investidas, os jornalistas não sabiam se teriam algum retorno ou não. “Nós sempre fizemos as coisas sem saber qual seria o retorno financeiro disso”, diz Fehlauer.

Nos blogs e sites alternativos, os profissionais acreditam que conseguem fazer o tipo de jornalismo que pretendem e investir nas reportagens multimídias, um grande diferencial. Deak só não entende porque os veículos brasileiros se afastam desse tipo de trabalho. “Os jornais do Brasil não valorizam a reportagem multimídia. É uma cegueira dos chefes de redação”.

Apesar de concordarem que o bom jornalismo custa caro, os profissionais criticam a cobrança de conteúdo na web. “Cobrar pelo conteúdo na internet é a vanguarda do atraso”, contesta Deak.

Exercício do jornalismo
Para exercer a profissão de jornalista, os palestrantes defenderam o fim da obrigatoriedade do diploma. Para eles, a faculdade é importante, mas não deve ser uma exigência para fazer jornalismo.

“Os melhores sites de Economia são feitos por economistas. A faculdade é importante, mas é como no caso de publicidade, que é um curso aberto”, defendeu Marcelo Soares, jornalista profissional que escreve para o blog E você com isso?, da MTV.

Deak também é da mesma opinião. ”Os blogs nos mostraram que existe vida inteligente fora das redações”.

Maurício Stycer concorda e compara o trabalho de um blogueiro a de um jornalista. “Existem coisas que valem para qualquer mídia, como a apuração. São os princípios do bom jornalismo. A ideia do blog como ferramenta jornalística tem me fascinado”, declara.

Fonte: Comunique-se, matéria da jornalista Isabela Vasconcelos

Governo argentino tenta reeditar censura

Antes da reprodução da matéria do jornal O Estado de S. Paulo (logo abaixo), digo que, infelizmente, depois de anos de ditadura e cerceamento dos meios de comunicação e da liberdade de imprensa e individual, governos da América Latina tentam, de alguma forma, estabelecer censura para poder controlar a opinião pública. Aqui mesmo, no Brasil, o governo Lula tentou, por diversas vezes, instaurar o fatídico Conselho Federal de Jornalismo, que, graças a D´us, não vingou. Mas, vira e mexe, tenta-se, de alguma forma, cercear a liberdade de informação. De repente, eis que vemos jornalistas de oposição perderem emprego, serem afastados, ficarem “na geladeira”. Muito estranho…

Se este tal Conselho Federal de Jornalismo tivesse passado, escândalos como os de mensalão, dos dólares na cueca e outros inúmeros, que nos enojam – tanto pelo ato em si como por ninguém ser culpado e pagar a conta, a não ser a população – certamente não viriam à tona.

Agora vemos, na Argentina, a mesma coisa. E os Kitcher cada vez mais próximos do ditador venezuelano Hugo Chávez. Sim, embora não seja oficialmente, Chávez é realmente um ditador e um demagogo da mais baixa qualidade.

Foi ridículo – para não dizer até leviano, apesar de abusivo e ditatorial – este casal Kirchner, que “controla a Argentina”, mandar um mutirão de fiscais, juntos, ao jornal Clarín numa clara demonstração de intimidação. E depois, na maior cara de pau, dizer que não tem nada a ver com isso. Além de abuso de poder e cerceamento de liberdade, Cristina e seu marido Néstor são mentirosos da pior espécie (isso sem dizer que também são péssimos administradores do país).

Bem, temos de ficar de olho pois nunca, jamais, poderemos voltar a perder nosso direito – e também o dever – de falar, reclamar, criticar e até elogiar quando assim for o caso.

Abaixo, reprodução da matéria do Estadão…

Kirchner e Lula... união na tentativa de calar a boca da imprensa?!?
Kirchner e Lula… união na tentativa de calar a boca da imprensa?!?

  

Kirchners mantêm conflitos constantes com a mídia

Casal evita o contato com jornalistas e não digere com facilidade as críticas veiculadas

BUENOS AIRES – Desde que chegaram ao poder, em 2003, Néstor e Cristina Kirchner mantiveram a relação mais tensa entre o Poder Executivo e a imprensa desde o final da Ditadura Militar, em 1983. O casal – que costuma evitar o contato com jornalistas – não digere com facilidade as críticas das mídia e com frequência afirma que os meios de comunicação são “golpistas”. A própria presidente Cristina esbravejou, dias atrás: “sou vítima de um fuzilamento midiático”.

 

 

Em 2007, quando os Kirchners estavam no auge do poder, um dos ministros do gabinete disse, em off a um grupo de correspondentes estrangeiros, entre eles o Estado, que “Néstor e Cristina falam direto com o povo. Portanto, não precisam de intermediários como os jornais”.

 

Desde o início do ano passado, quando o governo entrou em conflito com os produtores ruralistas, o casal Kirchner está acusando permanentemente diversos meios de comunicação – especialmente o Clarín e seu canal da notícias por TV a cabo Todo Notícias – tentar “desestabilizar” o governo.

 

Organismos de defesa da liberdade de imprensa afirmam que vários jornais, canais de TV e rádios foram comprados nos últimos anos por empresários sem tradição na área de mídia. No entanto, todo tinham em comum o fato de serem amigos dos Kirchners.

 

Associações de jornalistas denunciaram ao longo dos últimos anos intensas pressões do governo aos profissionais da mídia, grampos telefônicos e ameaças diversas. Nos últimos meses, escritórios do jornal Clarín foram atacados por ‘comandos anônimos’ com pichações de simpatizantes do casal Kirchner.

 

Sequer os jornalistas famosos salvaram-se das pressões. Esse foi o caso de Pepe Eliaschev, removido da estatal Rádio Nacional por entrevistar líderes opositores em seu programa de notícias. Outro caso é de Nelson Castro, um dos mais famosos jornalistas políticos do país, demitido da Rádio Del Plata – por pressões dos Kirchners – após fazer comentários sobre um estranho desmaio da presidente Cristina. “Esse é o verdadeiro Kirchner. O Kirchner intolerante!”, diz Castro.

 

Kirchner, enquanto foi presidente, nunca deu uma coletiva de imprensa, sequer aceitou entrevistas com meios internacionais. Sua esposa Cristina concedeu um punhado de coletivas. Ela só aceitou entrevistas exclusivas com meios de comunicação aliados do governo.

 

‘Não-indepentente’

 

O governo não coloca publicidade oficial nos jornais críticos com a administração Kirchner. Mas, os empresários amigos do governo conseguem publicidade oficial farta. Esse é o caso de Rudy Ulloa, ex-office boy e ex-chofer dos Kirchners, que transformou-se em magnata da mídia no sul do país.

 

No ano passado Ulloa lançou a revista “Atitude”, que na capa ostentava um controvertido slogan: “uma revista que não é independente”.

 

O USO DAS TECNOLOGIAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA PODE AUXILIAR AS ESCOLAS NO COMBATE À GRIPE A (H1N1)

Inserimos neste espaço um importante ponto na COMUNICAÇÃO entre escolas, professores e alunos, principalmente neste momento de temor em relação à “gripe suína”. Vale a pena a leitura do artigo da professora e conselheira da Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED, Profa. Dra. Rita Maria Lino Tarcia.

criancascomputador

Profª. Dra. Rita Maria Lino Tarcia*

Com o objetivo de conter a gripe A (H1N1), minimizar as condições de contágio e garantir a saúde dos alunos, a Secretaria Estadual de Educação, a partir de orientações da Secretaria Estadual de Saúde, decidiu adiar a início do semestre letivo em duas semanas nas escolas públicas e recomendou que o mesmo acontecesse nas escolas particulares.

Como tudo na vida tem dois lados, se por um lado a decisão contribui com as ações de controle em relação à doença, por outro, traz um problema para as escolas, este relacionado ao cumprimento do calendário letivo e das atividades pedagógicas planejadas.

Uma forma de equacionar esse problema pedagógico encontra-se no uso de tecnologias de educação a distância. As escolas podem, por meio de seus portais na Internet ou por meio de ambientes virtuais, além de intensificar as orientações sobre os cuidados necessários para evitar o contágio da gripe, propor a realização de atividades.

Apesar de a proposta parecer simples, cabe ressaltar alguns aspectos que devem ser observados pela equipe pedagógica e pelos professores com relação ao uso das tecnologias de educação a distância para auxiliar a enfrentar uma situação que pode ser considerada emergencial.

Os professores devem propor atividades que de fato os alunos tenham condições de realizar de forma autônoma, além de apresentarem a proposta da atividade de forma didática e com detalhamento dos objetivos e dos procedimentos.

Caso os docentes não considerem adequado dar continuidade ao programa iniciado no primeiro semestre ou iniciar conteúdos novos utilizando recursos igualmente novos, é possível orientar o estudo dos alunos com o objetivo de retomar ou revisar o que já foi discutido e trabalhado durante as aulas.

Outra opção interessante é a de os alunos assistirem a vídeos de curta duração referente aos conteúdos já trabalhados, de forma a aprofundá-los ou revisá-los. Imaginem como os alunos reagiriam se pudessem assistir a um filme de curta duração no qual o professor apresentasse orientações sobre o trabalho a ser realizado e entregue no início das aulas. O professor pode utilizar até um podcast: ele pode fazer um breve roteiro e gravar explicações sobre um tema ou atividade.

Ainda como uma forma de enfrentar a gripe A (H1N1), coordenadores, diretores e médicos podem gravar vídeos com as observações e cuidados que devem ser tomados em casa e no retorno às aulas, já no ambiente escolar. Essas são algumas das possibilidades que as tecnologias voltadas para o ensino a distância oferecem, sem falar nos e-mails que professores podem enviar diretamente para os alunos fazendo comentários e proposições acerca de trabalhos escolares. Também podem ser enviadas mensagens pelo celular. Imaginem a surpresa se os alunos recebessem, em seus celulares, mensagens da equipe pedagógica com explicações sobre as medidas necessárias para controlar a gripe A (H1N1)! Eles sentiriam que a equipe está preocupada com eles e sentir-se-iam mais próximos dela.

Todas essas sugestões se configuram como uma nova forma de trabalhar com o conhecimento, de aproximação dos alunos e de aproveitar uma situação emergencial para disseminar conhecimentos e fazer educação. A decisão de prorrogação de período de férias foi importante, sem dúvida.

 Entretanto, não podemos desconsiderar que muitos alunos já estavam com a mala e o “espírito” preparados para o retorno às aulas; então, por que perder essa preparação por parte dos alunos? Por que não fazer uma educação diferenciada que contribua com a formação dos nossos alunos e que esteja alinhada com perfil deles: nativos digitais!! Antes de negar, talvez seja interessante experimentar.

* Profª. Dra. Rita Maria Lino Tarcia é Conselheira Fiscal da Associação Brasileira de Educação a Distância – ABED

Sobre juros bancários. Carta deste missivista no jornal Folha de S. Paulo desta quinta-feira, 30 de julho…

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz3007200910.htm

Roberto Setúbal
“Muito interessante a entrevista concedida pelo sr. Roberto Setúbal (Dinheiro, 26/7). Porém, preciso discordar, veementemente, quando ele diz que deve manter as altas taxas de juros por conta da inadimplência. Ora, a inadimplência está alta por conta das altas taxas de juros que os bancos desejam. Se os juros baixassem, certamente a inadimplência seguiria o mesmo caminho. Não é possível que ele e seus colegas invertam o fato, transformando a vítima em culpada.”
ALBERTO MAURÍCIO DANON
(São Paulo, SP)

Telefônica admite problemas com Speedy…

… porém credita-os a suposta “invasão de hackers”. E por que, “senhora Telefônica”, era impossível falar com o atendimento da empresa para saber o que estava efetivamente ocorrendo e, também, por que demorou muito para admitir o problema??? Uma empresa tem de ser tranparente e falar verdadeiramente o que ocorre, no momento em que acontece, pois deve satisfação a todos os seus clientes (além dos funcionários e fornecedores).

Leia mais abaixo (fonte: Adnews)

telefonica

Telefônica culpa hackers por pane no Speedy

 

A Telefônica assumiu publicamente nesta quinta-feira (09) que o Speedy tem passado por um problema generalizado. No entanto, a empresa afirma que a pane foi causada por ataques de hackers ao servidor.

Em comunicado divulgado nesta tarde, a companhia explicou que o problema foi originado pelo excesso de solicitações artificias aos servidores DNS. “Esta ação intencional visa esgotar a capacidade dos servidores e fazer com que as solicitações artificiais concorram com as solicitações legítimas [dos usuários], gerando as dificuldades de navegação em páginas de internet”, explica a nota.

A empresa também informou que está empreendendo todos os esforço para normalizar a operação, mas não informou prazo para solucionar o problema.

Os clientes da Telefônica da diversas regiões de São Paulo têm enfrentado problemas com a conexão desde a noite de segunda-feira (06).

Procon cobra explicações

Nesta quarta-feira (08), o Procon-SP enviou uma notificação à Telefônica cobrando explicações sobre os problemas com o Speedy. De acordo com a notificação, a operadora tinha até o final da tarde de hoje para esclarecer as causas da pane.

O Procon-SP também informou que os clientes poderão pedir um ressarcimento coletivo, além de estudar uma multa à operadora pelos danos causados aos usuários.

 

STF julga nesta quarta-feira futuro da Lei de Imprensa

Entidades representativas dos meios de comunicação e dos jornalistas apoiam o fim da lei, mas defendem novas normas 

Em 2008, o Supremo já havia suspendido provisoriamente a eficácia de 20 dos 77 artigos dessa legislação, criada em 67, sob a ditadura 

Fonte: jornal Folha de S. Paulo 

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) pode decidir hoje a manutenção ou a revogação de dois preceitos criados pela ditadura militar (1964-85) para disciplinar assuntos relativos à imprensa: a Lei de Imprensa (1967), conjunto de 77 artigos que preveem atos como apreensão de publicações e censura prévia, e a obrigatoriedade do diploma de jornalista para o exercício da profissão (1969, leia texto nesta página).
Em fevereiro do ano passado, o STF já havia suspendido provisoriamente a eficácia de 20 dos 77 artigos da lei (5.250/67), grande parte dela já transformada em “letra morta” pela jurisprudência firmada pelos tribunais após a promulgação da Constituição de 1988.
Caso mantenha-se a tendência de anulação parcial ou total da Lei de Imprensa, reforça-se o debate sobre a necessidade de haver uma nova regra. Entidades representativas dos meios de comunicação e dos jornalistas apoiam o fim da lei, mas defendem novas normas.
A ANJ (Associação Nacional de Jornais) é a favor de uma legislação mínima que conteria, entre outros pontos, mecanismos para inibir a censura prévia e regras para que o direito de resposta e as indenizações por dano moral não extrapolem limites considerados inibidores da atividade jornalística.
“Essa regulamentação deve ser mínima e de natureza instrumental, com o objetivo de regular os direitos individuais que se contrapõem à liberdade de expressão”, escreveu em artigo no mês passado a presidente da ANJ, Judith Brito, diretora-superintendente da Folha.
O presidente da Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão), Daniel Pimentel Slaviero, afirma que o assunto extrapola o interesse de empresas de comunicação e de jornalistas e defende, para a nova legislação, mecanismos que inibam decisões judiciais que têm barrado a veiculação de notícias de interesse geral.
A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) propõe, entre outras coisas, um rito sumário para o direito de resposta, o fim da pena de prisão para os delitos de imprensa (que passariam a ser punidos com multa ou prestação de serviço à comunidade) e a obrigatoriedade dos meios de comunicação de terem um canal no qual o cidadão possa se manifestar.
O problema é que o principal projeto de lei sobre o assunto que tramita no Congresso Nacional, o 3.232/92, do ex-deputado Vilmar Rocha, está parado desde 1997. E vários congressistas defendem a tese de que não é necessária nova lei, já que a Constituição e os códigos Penal e Civil seriam suficientes para disciplinar o assunto.
“A Constituição já fixa todos os critérios para assegurar a liberdade de imprensa. Não há razão para uma lei menor se a maior já fixou as regras”, escreveu em artigo no ano passado o hoje presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP). Ele mantém a posição.
O deputado Miro Teixeira (PTD-RJ), autor da ação que resultou no julgamento de hoje, também argumenta que uma nova lei poderia servir a tentativas de restrição à liberdade de imprensa. “A Constituição assegura o direito do cidadão de se manifestar e de ser informado livremente. Esse direito é “irregulamentável'”, afirmou.
Hoje ele defenderá no STF a interpretação de que, pelo artigo 37 da Constituição (que submete a administração pública aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência), o agente público não pode mover processos por crime contra a honra por causa de reportagens jornalísticas.
O governo federal se manifestou no processo, por meio da AGU (Advocacia Geral da União), defendendo a permanência, entre outros, da previsão de penas mais duras para jornalistas condenados por crime contra a honra.