Comunicação moderna: e-mail perde espaço para sites de relacionamento

Fonte: programa Fantástico de 19 de abril…

Por que essas redes virtuais fazem sucesso?

Uma estatística surpreendente: você sabia que existe na internet uma ferramenta de comunicação que já é mais usada do que o e-mail? São as redes sociais, aqueles sites de relacionamento que fazem o maior sucesso no Brasil.

Acompanhe o Fantástico no Twitter

De cada cinco brasileiros com acesso à internet, quatro já fazem parte de algum grupo de amigos virtuais. Amigos esses que estão cada vez mais conectados.

Uma galera nem sabia que ia se encontrar a menos de 24 horas. Aí o Fernando mandou uma mensagem. “Mandei uma mensagem, o pessoal normalmente é a mesma galera que vem, e está aí”, explicou.

Dois terços dos internautas do mundo, cerca de um bilhão de pessoas, estão nas redes sociais. Mais da metade deles tem mais de 35 anos de idade.

Otália Durval tem 64 anos. Às vezes menos. O que define a idade de dona Otália são os namorados na internet. “Eu tenho dois. Um com a minha idade real e outro com a minha idade virtual: 18, 25, depende do namorado”, comentou. 

A internet ainda é um lugar para a fantasia. A novidade é que ela se tornou, também, o espaço mais usado para a troca de informações reais, como trânsito, por exemplo.

“Começou a chover em um lugar, a pessoa fala que está chovendo. Então você, se consegue saber se em tal lugar está chovendo, você fala: ‘vou passar por ali?’ Ou vou fazer outro caminho, ou vou esperar um pouquinho. E o pessoal vai se ajudando”, explicou Mário Eduardo.

Muitos se comunicam direto com o Twitter, um novo tipo de rede social, que funciona como um miniblog: textos curtos, aberto para que quiser seguir essas mensagens.

“A ferramenta se modifica com uma facilidade enorme. Ela pode ser pra cobertura de evento, pra notícia, falar com os amigos, ou pra organizar eventos”, diz Fernando Souza.

Você arrumou um emprego com o Twitter?

“Meu emprego atual, eu estou lá há uns dois meses. Foi assim: eu vi que tinha uma vaga anunciada, o pessoal anunciou no Twiter. No momento eu estava empregado, mas depois quando fiquei desempregado, eu lembrei. Voltei lá, entrei em contato. E eles falaram, está aberto, traz o currículo. E eu estou lá até agora”, conta Adriano Trotta.

E a internet virou até um tipo de defesa do consumidor. É possível fazer uma campanha contra um produto?

“Pessoas falando para pessoas sobre as suas opiniões têm muito mais valor do que um comercial ou uma página na revista ou alguma coisa do tipo”, explicou Alê.

“Já tem empresa que está antenada no que está acontecendo e segue a palavra-chave da empresa e se alguém fala mal a empresa entra em contato”, contou Fernando.

Patrícia Moura, analista de mídias digitais, passa dez horas por dia em redes sociais, a trabalho. “Eu preciso mesmo pesquisar dentro dessas redes e os usos que a gente pode fazer como marca para poder interagir com os usuários”, conta.

A analista de mídias digitais traz para empresas as tendências de consumo encontradas em conversas na internet. Mas essa passagem do virtual para o real pode trazer surpresas. O cantor Léo Jaime chegou a ter nove mil amigos em um site que ele já abandonou.

“A internet ajuda muito as pessoas a se aproximarem, mas também dá oportunidade aos chatos e às aproximações indesejáveis”, comenta o cantor.

“Já aconteceu comigo e com ela da gente twittar que a gente ia num lugar X e alguma pessoa que a gente não faz idéia de quem era aparecer lá sozinha, ficar cercando a gente pelo lugar”, contou Ale Ferreira.

Ana conheceu Marina, que conhecia André, que apresentou Marcelle Correia. A quadrilha se fez em um site de relacionamento e continua a se espalhar.

“A gente pode virar bem amigo de alguém que se conheceu pela internet, como minha melhor amiga, que mora do outro lado do país, em Rondônia. Mantemos contato e ela é tudo pra mim, assim, de amiga. Porque tem gente que a gente vê, fala todo dia e não tem tanta intimidade que nem eu tenho com ela”, explicou Marcelle.

A troca de informações em redes sociais mudou a noção de distância. Estar perto, agora, é se parecer com o outro. 

“Há o aumento da possibilidade de escolha por afinidade. Isso é uma coisa bastante interessante e de fato, na internet, se você é amante de calhambeques, pode entrar em uma comunidade de calhambeques e conversar com pessoas que são amantes dessa comunidade de calhambeques. Você está procurando amizade de acordo com uma afinidade, e isso realmente a internet ampliou de uma maneira nunca antes vista”, observa a antropóloga Vanessa Pereira.

Anúncios

Comunicação abusiva na cobrança de dívidas

Empresas cometem abusos ao cobrar dívidas de clientes

Mesmo com prestações atrasadas, o consumidor tem o direito de ser respeitado pela empresa ao ser cobrado por uma dívida. Um especialista em direito do consumidor esclarece dúvidas sobre o assunto.

Fonte: Jornal Hoje desta segunda-feira, 16/3/2009. Assista ao vídeo na íntegra:

Call centers continuam desrespeitando a lei

Fonte: Jornal Hoje, Rede Globo, desta terça-feira, 10 de março de 2009

O decreto que estabeleceu regras de serviços de atendimento ao consumidor completa nesta terça-feira cem dias, mas clientes de vários estados não conseguem ser bem atendidos.

Era para ser assim: tempo de espera máximo de um minuto, opção de falar com atendente já na primeira tentativa, cancelamento imediato de serviços. Mas não é assim que acontece…

O decreto que fixou regras aos serviços de atendimento ao consumidor, completa nesta terça-feira cem dias. O objetivo era que depois dele, a relação entre o consumidor e as empresas prestadoras de serviços regulados por agências federais ficasse mais fácil, mas isso ainda não aconteceu.

As empresas de telefonia estão no topo da lista de reclamações, seguidas por cartões de crédito, bancos e transportes.

No Procon de Florianópolis de cada dez queixas, cinco são contra operadoras.

“Manda a gente digitar, a gente digita, passa pra um, passa pra outro e fica musiquinha, aí quando atende é lá do MS, aí não é com ele, vai pra outro, cai em Goiás”.

As contas do telefone do engenheiro de Goiânia estão erradas. Primeiro, a empresa cobrava a mais. Agora, não cobra nada. E ele reclama.

“Moça me explica o que tenho que fazer, porque a conta está na minha frente e consta como zero, zero, zero”, diz Vitor Hugo Ramirez, engenheiro.

Em São Paulo, o telefone de Cristina foi desligado por falta de pagamento. “Vocês cobraram a conta de fevereiro como se eu não tivesse pagado o mês de janeiro e eu paguei…”, diz Cristina Giglio Povala, agente de viagens.

Quarenta minutos de espera. Parece que resolveu. “Vai ser acertado só na próxima conta esse valor: R$145,61”, responde o atendente.

“A gente trabalha o dia inteiro não dá para ficar o tempo todo no telefone”, reclama Cristina.

Para as empresas que prestam serviços de atendimento é muito difícil cumprir o tempo de um minuto determinado pelo decreto.

“Vai precisar de dois brasis: um Brasil que vai ligar e outro que vai atender telefone, cem por cento das chamadas”, afirma Lucas Mancini, dono de empresa de atendimento ao consumidor.

Ricardo Morishita, diretor do departamento de defesa do consumidor do Ministério da Justiça, fala sobre o descumprimento da lei pelas empresas e os procedimentos que o consumidor deve tomar ao sentir-se desrespeitado.

Link (com vídeo): http://g1.globo.com/jornalhoje/0,,MUL1036727-16022,00-CALL+CENTERS+CONTINUAM+DESRESPEITANDO+A+LEI.html

Problemas persistem no primeiro dia de vigor das novas regras para call centers

1/12/08 – 21h25

Fonte: Jornal Nacional (Rede Globo de Televisão) http://jornalnacional.globo.com/Telejornais/JN/0,,MUL885487-10406,00-NOVAS+REGRAS+PARA+CALL+CENTERS+ENTRAM+EM+VIGOR.html

 

 

Reprodução TV
Reprodução TV

 

 

Reprodução da TV
Reprodução da TV

 

Novas regras para call centers entram em vigor

O consumidor deve ser atendido em 1 minuto pelo atendente. Além disso, as opções têm que estar no primeiro menu eletrônico, as ligações devem ser gratuitas e o serviço deve funcionar 24 horas por dia.

Desta segunda-feira em diante, em menos de um minuto, uma pessoa de carne e osso deverá conversar com os brasileiros que ligarem para serviços de atendimento aos consumidores. Neste primeiro dia da regra nova, o Jornal Nacional refez um teste apresentado pelo Fantástico. O resultado é a reportagem de Isabela Scalabrini.

O designer Guilherme Reis já tentou reclamar várias vezes, mas ainda não conseguiu resolver o problema de uma cobrança que seria indevida feita pela operadora de celular. Ele quer cancelar o contrato. “Tentei ligar cinco vezes. Eles desligavam, passavam para outro setor”, ele reclama.

“Se houver um pedido de cancelamento, e esse é um dos grandes problemas que os consumidores enfrentam, o pedido tem que ser registrado imediatamente pela atendente, não sendo permitido, nesse caso, a transferência da ligação”, afirma Marcelo Barbosa, do Procon da Assembléia Legislativa de Minas Gerais.

Esta é uma das novas regras que começaram a valer nesta segunda-feira. A principal é que o consumidor deve ser atendido em, no máximo, um minuto, depois que ele escolher falar com o atendente.

As opções de reclamação, cancelamento e falar com um atendente têm que estar no primeiro menu eletrônico. As ligações devem ser gratuitas e o serviço deve funcionar sete dias por semana, 24 horas por dia.

Para esclarecer os principais pontos da nova legislação, o Fantástico fez uma reportagem sobre o serviço de atendimento ao consumidor pelo telefone no domingo. Foram feitas três ligações. Nesta segunda-feira, a equipe do Jornal Nacional ligou para as mesmas empresas e o atendimento não melhorou.

A funcionária de uma operadora de celular nos atendeu em um minuto e três segundos, mas ela nem tenta ouvir a reclamação.

JN: Eu queria saber por que, no momento, eu não posso fazer a reclamação.
Atendente: Porque o sistema está indisponível, nós não temos como registrar.

Em uma ligação mostrada pelo Fantástico, no domingo, para outra operadora, foram quatro minutos de espera, mas a gravação recomeçou e não houve atendimento. Na segunda tentativa, a funcionária atendeu rapidamente, mas a ligação caiu.

Nesta segunda-feira, também foram quatro minutos depois que escolhemos a opção de falar com um atendente.

Atendente: Boa tarde. Com quem falo, por gentileza?

Na segunda tentativa, oito minutos.

JN: A senhora não pode me dizer por que a senhora demorou tanto a atender.
Atendente: Senhora, estamos com um fluxo muito grande de ligação.

A multa para quem descumprir as regras pode chegar a R$ 3 milhões.

“A ordem é que haja uma fiscalização rigorosa no cumprimento do decreto. Aquele call center que não estiver dimensionado, com certeza, vai ser multado”, afirmou José Antônio Baeta, promotor da Defesa do Consumidor.

 

Reportagem sobre segurança no trânsito no programa “Mais Você”

11_06_2008_08_26_39 11_06_2008_08_23_341

Toda hora vemos, nos mais diferentes órgãos de imprensa, matérias com dicas sobre segurança nas mais distintas situações. Esses textos são um serviço imprescindível para a manutenção da vida e da qualidade de vida das pessoas.

Há uma semana, por exemplo, o programa “Mais Você”, da Rede Globo (Ana Maria Braga), trouxe, pela segunda vez, o consultor de segurança Nilton Migdal, que passou dicas interessantes aos telespectadores sobre como devemos nos portar no trânsito para não sermos vítimas de assaltos ou quaisquer outros tipos de violência. Na primeira vez em que esteve no programa, Migdal falou sobre segurança em condomínios.

Para quem não viu ou para quem quer rever, segue o vídeo, logo abaixo. Fonte: Rede Globo de Televisão

Ao final, depois desta matéria, assista a mais dois vídeos:

1) um pequeno trecho de outra, onde este mesmo especialista fala, por mais de 20 minutos, ao vivo, no estúdio, para o telejornal de Rodolfo Gamberini;

2) trechos da participação de Migdal em duas edições do programa de Sônia Abrão, onde ele fala sobre procedimentos para se evitar seqüestros e assaltos a condomínios.

 

 

Mulheres são o alvo preferido dos bandidos no trânsito

As estatísticas mostram que as mulheres são os alvos preferidos dos bandidos que agem no trânsito das grandes cidades.
A jornalista Leila Mansur sabe bem o que é medo. Ela já foi assaltada duas vezes em São Paulo. “Você fica com uma seqüela. Porque você se sente tão vulnerável e se conscientiza da sua vulnerabilidade, né?”, diz ela.

Depois disso, ela resolveu deixar de lado os carros de passeio e comprou um modelo mais masculino na tentativa de “enganar” os ladrões.
Leila está certa. As estatísticas mostram que mulheres são mesmo o alvo preferido dos ladrões. Principalmente as que dirigem sozinhas.

O especialista em segurança Nílton Migdal fala que o bandido prefere pegar quem não está preparado ou atento. “Antes de sair, uma dica importante: trave as portas. Mesmo que o carro tenha travamento automático quando anda, a gente tem que travar quando ainda está parado”, diz.

Bolsa à vista? Não! “Isso é um erro muito grande e muita gente é assaltada, mesmo com o vidro fechado. O bandido quebra o vidro e leva a bolsa. Quando é só isso, menos mal. Mas a bolsa no carro é motivo para um seqüestro relâmpago, que é um risco bem maior”, ressalta.

Outra dica do especialista é chegar devagar ao sinal de trânsito e colocar película protetora nos vidros. “Ajuda bastante”, fala Nilton.

VÍDEO SOBRE A UTILIZAÇÃO DE PELÍCULA PROTETORA NOS VIDROS DOS CARROS (INSULFILM), COM INFORMAÇÕES PASSADAS NO TELEJORNAL DE RODOLFO GAMBERINI, DA REDE TV!, PELO MESMO ESPECIALISTA EM SEGURANÇA, NILTON MIGDAL

Seqüestro e Assaltos a Condomínios são explicados pelo especialista em segurança Nilton Migdal. Você assiste, aqui, a alguns trechos da participação deste profissional em DOIS PROGRAMAS de Sônia Abrão.