Esclareça suas dúvidas sobre a portabilidade na telefonia

Fonte: jornal Folha de S. Paulo (caderno Informática – esta quarta-feira, 4 de março de 2009)

PERGUNTA – Quais os procedimentos para portar o número?
RESPOSTA – O processo de portabilidade numérica se inicia com a solicitação do usuário à operadora para a qual deseja migrar. A empresa que vai receber o usuário dá continuidade, para que o novo cliente não perca o número. Ela também remete a solicitação à ABR Telecom, entidade administradora que irá acionar a empresa de onde o usuário deseja sair, a fim de atualizar a Base de Dados Nacional de Referência (BDR) e a Base de Dados Operacional (BDO) das operadoras.

PERGUNTA – Tenho um aparelho bloqueado da operadora A e quero fazer portabilidade para a operadora B. Meu aparelho funcionará ou tenho que desbloqueá-lo primeiro?
RESPOSTA – Se você estiver fora do período de carência do contrato, a operadora A é obrigada a desbloquear o seu aparelho, conforme a legislação vigente. O ideal é que você desbloqueie o aparelho antes de portar seu número para a outra operadora, pois corre o risco de o telefone não aceitar o chip.

PERGUNTA – Se tenho um plano de fidelidade com a minha operadora, com aparelho subsidiado, posso trocar de empresa sem pagar multa? RESPOSTA
– O contrato com a operadora original deve ser observado. Se a fidelidade for por 12 meses, e o cliente quiser sair antes, deve pagar a multa conforme está no contrato.

PERGUNTA – Caso mude de cidade, posso levar meu número para outro código de área?
RESPOSTA – De acordo com as regras da portabilidade, as transferências de operadora, com manutenção do número, só podem ser solicitadas dentro do mesmo serviço -móvel para móvel ou fixo para fixo- e na área de abrangência do mesmo DDD.

PERGUNTA – Qual o prazo para o atendimento do pedido?
RESPOSTA – No primeiro ano de implantação do serviço, esse processo se concluirá em até cinco dias úteis, desde que todos os critérios para a mudança sejam atendidos. A partir do segundo ano de existência da portabilidade numérica, a mudança será efetivada em até três dias úteis. Também é possível agendar a data de transferência de operadora para após cinco dias úteis.

PERGUNTA – Se me arrepender, posso voltar para a operadora de origem?
RESPOSTA – Mesmo após a solicitação de troca de operadora, o usuário ainda tem dois dias úteis para desistir da mudança e comunicar a decisão à operadora para a qual havia pedido para migrar.

PERGUNTA – Nesses primeiros seis meses de portabilidade, qual o principal problema registrado pelas operadoras?
RESPOSTA – Se o cliente não atualizou seus dados cadastrais junto à operadora de origem, quando informa seus dados à nova operadora estes não coincidem com a base de dados, fazendo com que seja necessário um novo contato com o cliente.
Isso pode atrasar a portabilidade do número para além dos cinco dias úteis regulamentares.

Anúncios

Lei para call centers: teles mantêm liderança de reclamações e são intimadas

 

DEVE HAVER MAIS RESPEITO NA COMUNICAÇÃO COM O CONSUMIDOR!
Fonte: Tele.Síntese. Jornalista: Lúcia Berbert   
19 de dezembro de 2008
O DPDC (Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor), do Ministério da Justiça, intimou, no período de 1º a 13 de dezembro, 72 empresas para apresentarem a adequação às novas normas de call center, entre as quais quatro empresas de telefonia fixa: CTBC, Transit do Brasil, Brasil Telecom, GVT e Embratel. O órgão também notificou algumas empresas para prestar esclarecimentos no prazo de dez dias, entre elas Oi, Vivo, TIM, Claro, NET e Brasil Telecom. O Decreto e a Portaria que regulamentam os Serviços de Atendimento ao Consumidor (SACs) entraram em vigor no dia 1º deste mês, mas muitas empresas ainda não estão seguindo todas os itens da norma.BarômetroO Ministério da Justiça divulgou hoje o ranking das reclamações, parcial e atualizada, que compõem o barômetro  das queixas apresentadas diretamente aos Procons. As operadoras de telefonia móvel são líderes das reclamações: 275, no período de 1º a 13 deste mês. As empresas de telefonia fixa ficaram com a segunda colocação, com 211 queixas no mesmo período. As operadoras de TV por assinatura ocupam o quinto lugar, com 31 reclamações em 13 dias.A TIM é a operadora móvel que recebeu maior número de queixas: 114. A Brasil Telecom ficou em segundo lugar, com 41 reclamações, seguida da Oi (24), Claro (19), Vivo (12) e Amazônia Celular (3).

Na telefonia fixa, a campeã de queixas é a Brasil Telecom, com 78. A Oi vem na segunda posição, com 28, seguida da GVT (18), NET (15), Embratel (13) e Intelig (4). A NET é a campeã de reclamações entre as TVs por assinatura, com 20 queixas, seguida da TV Filmes (3) e Sky (2), todas do mesmo grupo.

As informações do barômetro do Sindec (Sistema Nacional de Defesa do Consumidor) representam os registros dos atendimentos realizados em 22 estados: Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Tocantins, Alagoas, Bahia, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Piauí, Rio Grande do Norte, Sergipe, Espírito Santos, Minhas Gerais, Rio de Janeiro, além do Distrito Federal.