Relembrando a época de repórter televisivo…

57 anos do programa Mosaico na TV

Foi uma grande alegria ter participado, há pouco, do início das comemorações dos 57 anos do programa Mosaico na TV – o programa mais antigo ininterrupto da televisão brasileira, segundo o Guiness Book.

Juntamente com a atriz Eliana Guttman, entrevistamos o atual produtor, Roni Gotthilf (filho do fundador, Francisco Gotthilf z”l), onde falamos de curiosidades do programa.

Eliana participou do programa como apresentadora e eu, como repórter na década de 90.

Em breve no ar. Estouramos o tempo pois a conversa foi muito boa.

Queridos Rony e Eliana, muito bom revê-los e como foi deliciosa a nossa prosa…

Anúncios

LETALIDADE e EXECUÇÃO são assuntos totalmente diferentes

Confundida com EXECUÇÃO, LETALIDADE diz respeito à morte de marginais em confronto com a polícia.

… por Alberto Maurício Danon

LETALIDADE demonstra maior poder de enfrentamento ao #bandido, ao passo que EXECUÇÃO é o assassinato do #meliante quando já está dominado – o que configura prática ilegal, já que ele tem de ser preso e julgado para depois ser condenado.

Quando desavisados clamam pela diminuição da LETALIDADE, em outras palavras significa dizer que o enfrentamento ao crime deva ficar baixo. Ou seja, que a polícia deva combater cada vez menos o delito. Isso mesmo. Cada vez menos! Já não bastasse o nível alarmante de falta de segurança que vivemos!

É importante salientar que quanto há confronto, pode ocorrer sim o evento morte, o que é considerado LETALIDADE. Porém, dados indicam que a maior parte dos enfrentamentos resulta em prisão.

Requerer a diminuição do enfrentamento (e, consequentemente, da LETALIDADE) diminui também a sensação de segurança (e a segurança efetiva) da população a partir do momento em que o marginal se sente mais solto e menos pressionado pelo policiamento preventivo e ostensivo. Com isso, o meliante sente-se mais motivado a agir. Por isso vemos, inclusive, muitos que nunca estiveram no crime entrarem para este caminho sem volta.

É de suma importância que a #polícia esteja na rua, em seu pleno funcionamento. Não pode ficar nos quartéis ou batalhões enquanto os bandidos ficam soltos. Certamente, isto aumentará a LETALIDADE por conta do enfrentamento; porém, reduzirá – e muito – a prática de crimes contra o patrimônio e contra a sociedade, resultando em trabalhadores (pais e mães de família, além de crianças) mortos todos os dias em números que, em nosso Brasil, infelizmente ultrapassam os de uma guerra.